segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Relatório do filme: Escritores da Liberdade

O filme Escritores da Liberdade, trata da relação estabelecida entre os alunos de uma escola e os seus superiores, ou seja, os administradores dela ,aqueles que deveriam se interessar pelo bem-estar dos alunos e a estimulação de desenvolvimento de habilidades conhecidas ou não, mas a história que relata não é bem assim...
Conhecemos através do filme uma escola que reúne alunos de diferentes culturas, modos de vida,que viviam em gangues, jovens desestimulados com um passado frustrante e aparentemente com um futuro não promissor. Mas, ao contrário do que se pensava tudo isso começa a mudar com a chegada de alguém que acreditava que para tudo havia solução!
Chega então à escola a professora Erin, e por ser nova na “casa” recebe um grande desafio: dar aula para turma que era vista como a pior de todas. Composta por alunos “difíceis” com um histórico de vida triste,que viviam em conflitos, com uma família desestruturada,mas mesmo assim ela foi perseverante, mesmo que seu interior estivesse fragilizado com a situação que lhe era imposta.
No início, os alunos desta turma estavam conformados com suas condições, viviam sem se importar com os outros, nem com eles mesmos. Eram totalmente preconceituosos e não respeitavam a diversidade, a pluralidade de pessoas, etnias, enfim, qualquer atitude: o olhar, modo de falar ou pensar, tudo era motivo para desavenças. Não se respeitavam e do mesmo modo não eram respeitados pela escola, eram agredidos mesmo que de forma simbólica, como por exemplo: na sala de aula suja, desarrumada, sendo esse um motivo para os desestimular, pois nem o ambiente escolar era digno; na classificação das turmas, havia a turma que era bem vista, que tinha privilégios se comparada às outras; no empréstimo de livros; era cruel, a escola os julgavam incapazes de cuidar dos livros, diziam que poderiam sujar ou rasga-los.
Dentro e fora do âmbito escolar Erin encontrou impasses para reivindicar o direito de seus alunos,inicialmente nenhum de seus pedidos eram concedidos; era grande a subordinação entre a direção e a professora que a deixava de mãos atadas e com uma autoridade quase nula. Mesmo assim deu uma verdadeira aula de ética, pois não precisou “passar por cima de ninguém” para chegar ao seu alvo.
Havia também uma personagem bastante marcada no filme, a menina Eva, que teve uma infância conturbada, uma adolescência conflituosa, ela queria saber da professora que atitudes ela tomaria afim de modificar a sua vida e que expectativa poderia ter uma menina que mesmo tão jovem tinha vivenciado situações embaraçosas.
O trabalho da professora Erin foi um divisor de águas na vida daqueles alunos, que entraram num processo de mudanças inquestionável, eles passaram a se identificar com as aulas ministradas, pois evidenciavam seus cotidianos, assim eles começaram a ter prazer na escola, aprenderam que respeito não é só mais uma palavra, mas sim uma ação que deve ser explorada e realizada diariamente, passaram a conviver com as diferenças!
A professora mostrou aos seus alunos que não importava o passado eles podiam no presente lutar para queo futuro fosse diferente. Assim, ela não só ensinou mais uma matéria, mas também deu uma lição de vida e superação.
O filme se aproxima da realidade brasileira do século XXI em muitos aspectos, mas em muitas situações o preconceito e o descaso são camuflados, tentam maquiar a relação aluno-escola. Mas há fatos que ainda não conseguiram disfarçar tão bem assim, como: a classificação de alunos e professores, muitas vezes o professor é impossibilitado de ser inovador, dentre tantas outrassituações que podem ser vistas na Educação Brasileira!

4 comentários:

  1. gostei do filme é bem realista

    ResponderExcluir
  2. gostei é bem realista o filme nota 10 mesmo adorei............

    ResponderExcluir
  3. Obrigada!!!
    É essencial em nossa prática sermos capazes de realizar observações além das aparências... para ver se a gente consegue fazer diferente...

    ResponderExcluir